Outbound e Inbound Marketing, você sabe qual é a diferença?

buyer-persona
Defina sua buyer persona em 5 passos
30 de julho de 2018
Google-Adwords
Como utilizar o Google Adwords para aumentar as vendas
13 de agosto de 2018

 

outbound

A estratégia de Outbound Marketing contempla a prospecção dos clientes visando atraí-los para o negócio. As técnicas mais comuns incluem:

  • Distribuição de folhetos
  • Realização de chamadas via telemarketing
  • Veiculação de comerciais de televisão
  • Transmissão de jingles nas estações de rádio
  • Adoção de ferramentas online pagas (exemplo: Google Adwords)

Inbound Marketing é exatamente o oposto, sendo que a prospecção ocorre de forma passiva. Em outras palavras, o cliente vai atrás da marca e não o contrário. As técnicas para atração envolvem a produção de conteúdo relevante para o público que se deseja atingir. Alguns exemplos são:

  • Criação de um perfil em rede social
  • Disponibilização de conteúdo em forma de e-book
  • Postagem de vídeos em canais como Youtube
  • Compartilhamento de materiais em páginas do tipo blog

Como combinar as duas estratégias

O Outbound Marketing ganhou conotação negativa, a partir de quando o cliente recebe os esforços de comunicação da marca sem haver pedido. Assim, as técnicas dessa estratégia logo foram associadas ao incômodo e invasão de privacidade.

No entanto, a combinação das duas estratégias ainda é a melhor saída para beneficiar uma marca que comercializa seus produtos e serviços online.

Para ilustrar melhor como as vendas na Internet são impulsionadas pela combinação entre Outbound e Inbound Marketing, pensemos em um cenário hipotético, porém similar ao enfrentado por muitas marcas.

Uma pequena fabricante de bolos dá o pontapé inicial em seus negócios comunicando a confecção de doces através anúncios online pagos no Instagram. Essa é uma ação típica de Outbound Marketing, a qual faz com que os clientes sejam atraídos para conhecer a loja.

Com o passar do tempo, a ação começa a dar seus primeiros frutos – as pessoas querem saber os sabores de bolos, as formas de entrega, métodos de pagamento, etc. Gera-se assim tráfego no site da marca e visitas à loja física.

Durante a visita, o cliente preenche uma ficha com seus dados cadastrais, inclusive seu e-mail. A partir de então, a marca passa a enviar conteúdo regular relacionado à confecção de bolos, assim como vídeos que ensinam a fazer pequenos doces. Aqui já observamos uma clara ação de Inbound Marketing.

Note que as visitas que geraram vendas e o preenchimento de ficha cadastral para posterior envio de conteúdo não aconteceriam se não houvesse ocorrido um esforço por meio das ações iniciais de Outbound Marketing.

Mas e os tipos de tráfego?

Existem dois – o tráfego orgânico e o tráfego pago.

O primeiro consiste em conseguir visitantes para uma página sem que haja custo direto envolvido. Geralmente isso acontece quando a marca aparece nos resultados dos mecanismos de busca online, mas não é tão fácil conseguir aparecer em um dos primeiros postos. Para estar no topo dos resultados, a marca pode apostar nas técnicas de Search Engine Optimization (SEO), as quais preveem a utilização de palavras-chave relevantes ao negócio exercido.

O segundo implica no investimento de determinado valor para que os leads cheguem até a página da marca. Aqui ainda há o envolvimento de palavra-chave, porém as mesmas são ligadas aos anúncios pagos, que também aparecem nos mecanismos de busca online.

É possível realizar um paralelo entre os dois tipos de tráfego e as estratégias abordadas nesta leitura. O tráfego orgânico e o Inbound Marketing possuem características passivas – o esforço para que haja contato com a marca parte do próprio cliente potencial. Por outro lado, o tráfego pago e o Outbound Marketing possuem características mais ativas por parte da marca, fazendo com que a mesma precise realizar esforços no intuito de despertar o interesse por seu negócio.

Esclarecida e comprovada a adoção simultânea de ambas as estratégias, resta apenas a dúvida de quais ações são mais cabíveis à determinada marca. Caso haja dúvidas sobre como proceder nesse ponto específico do processo, a solução está na contratação de uma agência especializada, a qual possui expertise para avaliar seu caso de maneira singular. Diante de um portfólio de opções, juntamente com uma análise cuidadosa, fica muito mais fácil decidir o que é adequado para o que a sua marca está tentando comercializar na Internet.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Iniciar conversa
Powered by